Elitizar soluções

29/07/2013

transito-23maio

Como forma de responder (novamente de forma errada) aos protestos, a Prefeitura de São Paulo ampliará a área de restrição ao automóvel (o famoso rodízio de carros), agregando novos bairros ao famigerado “Centro Expandido”.

A justificativa sempre é a mesma: melhorar a circulação, diminuindo o trânsito da caótica cidade, porém, há várias questões que devem ser analisadas antes de tomar qualquer medida restritiva ao cidadão.

O rodízio de carros em São Paulo, há tempos, deixou de ser a razão para diminuição dos gases poluentes na cidade, esta, por sinal, era a primeira desculpa pela imposição do sistema. Hoje o problema é lento deslocamento, em uma cidade que deixa de faturar, por causa do trânsito catastrófico, mais de 20 bilhões de reais todos os anos.

Ao impor o rodízio, a cidade não compensou o cidadão com transporte público eficiente e/ou barato, o que resultou em novos gastos para boa parte da população para adquirir um segundo automóvel. E a medida gerou impactos sucessivos como, por exemplo, inflacionar o valor dos imóveis com duas ou mais vagas de garagem.

Uma vaga de garagem adicional em imóveis residenciais pode ultrapassar 50 mil reais em diversos bairros da capital, o que ajudou a contribuir, também, na especulação imobiliária promovida por grandes construtoras que oferecem lançamentos, na sua grande maioria, com um mínimo de duas vagas por unidade.

O resultado é trágico para o trânsito: são emplacados diariamente em São Paulo 1.000 novos veículos, que farão parte à uma frota que já ultrapassou a barreira dos 6 milhões.  É um número insustentável para a cidade, e as soluções para restringir o carro são completamente ineficazes e desastrosas.

Como na maioria das decisões políticas, a cidade de São Paulo elitiza a solução para um problema de âmbito geral, que forçará os residentes de bairros de alto padrão (na Zona Sul, por exemplo, Av. Berrini, Brooklin e Campo Belo entrarão na “zona do rodízio”) adquirirem um outro carro, visto que a maioria dos habitantes de tais regiões têm fôlego financeiro para comprar um carro que, no caso, pode já ser até o terceiro carro da família.

O efeito-dominó dessa decisão proibitiva é gigantesco: a disputa por vagas nas ruas secundárias às grandes avenidas prejudicará, e muito, o fluxo. Aliás, é o fluxo, o escoamento, a principal finalidade de uma rua/avenida. Ruas não são locais para se estacionar. No entanto, prefeituras (novamente elas) enxergam oportunidade com Carão Zona Azul, além dos oportunistas flanelinhas, nunca coibidos da exploração ilegal de algo público.

12 Vagas?!?

Morador preocupado com rodízio

E quem sofre? Não será o morador do Campo Belo. Muito menos os engravatados da Berrini.  Quem sofre, como sempre, é o povo. O dependente de transporte público.

Quem não é dependente de transporte público arruma uma solução rapidamente. Negocia novos horários na empresa ou entra numa concessionária qualquer e com 10 reais por dia é capaz de sair de carro zero km. O segundo carro.

O rodízio de carros em São Paulo não foi, e nunca será, a melhor medida para combater o trânsito porque se trata de uma medida superficial e elitista.

Diversas cidades no mundo pactuam com o mesmo problema paulistano, porém, há várias formas de se combater a crescente individualização do deslocamento urbano sem estimular aquisição de um novo veículo.

Hong Kong, por exemplo, exige que o cidadão que desejar comprar um automóvel tenha, comprovadamente, uma garagem para não deixar o carro na rua. Seja com contrato anual com estacionamentos ou no próprio imóvel do cidadão. Pode até ter dinheiro para uma Ferrari, mas se não tiver garagem, não vai comprar. Simples assim.

Inúmeras cidades têm tributação diferenciada para o contribuinte que adquirir um segundo automóvel. Aumento de 20, 30 chegando até 50% no valor do IPVA para o segundo carro.  Assim, a conta é mais justa socialmente: cidadão que tem mais, paga mais.

O IPVA é um tributo estadual, então cabe ao Governo e a Prefeitura se entenderem para praticar tal ação restritiva à elitização do trânsito.

O prejudicado, da forma com que tratam a questão da mobilidade urbana, sempre será quem vive na periferia, longe do “Centro Expandido”. Tal sistema é completamente injusto àquele que mora na Estrada do M’Boi Mirim (ou qualquer outra região periférica) que perde 4 horas do dia no trânsito paulistano.

Deve-se estimular a consciência coletiva de toda população, com programas incentivos fiscais para adoção de novos horários para jornada de trabalho, além de evitar um grave erro que é cometido em São Paulo:  o deslocamento (e especulação imobiliária) de centros econômicos. É muito fácil comprar um enorme galpão industrial e construir diversas torres residenciais e comerciais, mas deve-se estudar o impacto no trânsito local e, principalmente, rever a necessidade de empreendimentos desse porte.

Hoje sou terminantemente contra o rodízio de carros em São Paulo como solução ao trânsito. Mais contra ainda ao aumento do Centro Expandido porque são medidas pouco estimulantes à troca do automóvel pelo transporte público. Hoje, quem tem dinheiro, comprará um segundo carro. E quem não tem, financiará, ainda mais com IPI e outros incoerentes incentivos fiscais.

O trânsito caótico continuará o mesmo. Quer dizer, com 1.000 novos carros todos os dias, só vai piorar.

O Movimento Passe Livre é uma pequena luz para discutir uma forma de restabelecer uma ordem social e economicamente justa. Se incentivar que transporte público, embora hoje completamente trágico, seja gratuito (ou, ao menos, que seja realmente barato), haverá demanda por mais ônibus e mais trem.

E é com demanda que se muda prioridades.

Marcio Vieira

Anúncios

O Dia Mad Max

07/03/2012

Busquei a sinopse do filme: “Em um futuro não muito distante (o filme começa com a frase: a few years from now) e pós apocalíptico, o deserto australiano vive dias de caos onde gangues de disputam o poder e aterrorizam a população por um pouco de gasolina”.

Impossível não associar o dia de hoje com o filme feito em 1979, estrelado por Mel Gibson.

O Dia de Mad Max mostra o desespero paulistano por alguns litros de gasolina. O caos se formou, sete milhões de veículos lutam para chegar em seus trabalhos salvos.

A gangue caminhoneira aterroriza a principal capital brasileira. Postos inflacionam o preço, se aproveitam do medo formado pela busca pelo deslocamento.

A gangue caminhoneira aproveita a falta de consciência coletiva do paulistano, que não aceita dividir um ônibus, dividir uma carona, pedalar, caminhar, enfim, buscar alternativas para melhorar o convívio na cidade.

Cidadãos comprometidos com o trabalho que pagam 300 reais por mês de estacionamento, ou que pagam 15 reais a primeira hora (ou ainda mais) para colocar seus carros num lugar “protegido”.

Cidadãos que perdem 20% do valor do automóvel no primeiro ano de uso, que gastam 300 reais para andar mil quilômetros (fora os gastos de manutenção) que gastam entre 3 e 10% do valor do carro por ano em seguro, ou seja, depreciam em uns 25% seu “patrimônio de rodas de liga-leve”.

Contribuintes que pagam regularmente seus impostos, que gastam meia hora para achar uma vaga para estacionar o carro na rua, pois hoje as prefeituras esqueceram que a prioridade da rua é o fluxo contínuo, e não a possibilidade de estacionar, prejudicando o trânsito.

Habitantes que reclamam da ciclofaixa permanente, que tirou a possibilidade de estacionar suas latas de insul-film, ou que não respeitam a placa “Rota de Ciclista”

Caminhoneiros, os malvados, são a corja da sociedade proletária. Afundam São Paulo no caos! Se organizam em sindicatos com barbudos e cruzam os braços. Abusados, vocês!

São Paulo é cidade para andar de carro!  Ônibus é coisa de pobre, preto, ou, pior ainda, pobre preto. Eu ganho meus dez mil reais por mês e vou financiar meu i30. Eu ganho 5 mil reais por mês e pago meu Fox. Eu ganho 3 mil e pago meu Uninho. Eu ganho mil reais por mês e pago as prestações do meu Gol Caixinha!!

E, mais que isso, eu vou andar SOZINHO!  O carro é meu!  Eu faço o que quiser! Eu buzino! Deixe as sardinhas enlatadas no transporte coletivo!  Não vou dar carona para o vizinho, eu não converso com ele, então ele não é bem-vindo no meu possante.

Esses ciclistas idiotas não aprendem que bicicleta é só no Domingo, e apenas para andar aonde tem cone.  Meu carro não divide espaço com uma bicicleta. Eu fecho! Deixo apenas a linha da sarjeta para eles! Meu carro de 50 mil reais com DVD é mais importante que a bicicleta do eco-chato.

Carros de 100 mil reais pra cima, então, são deuses supremos! Não se misturam com a gentalha, diz Dona Florinda a bordo do seu Land Rover.

Vamos, Mad Max, sobreviver pelo líquido sagrado: a Gasolina!

“”””””””””””””””

Brincadeiras à parte, não desejando o sofrimento de ninguém, mas é importante tomar ciência de algumas coisas:

Corredores de ônibus tem fluxo de 30 mil pessoas por hora, enquanto cada faixa para carros tem, em média, fluxo de 2 mil por hora. Se pensar que mais de 80% dos carros em SP estão com APENAS 1 pessoa, calcula-se menos de 2.500 pessoas por hora em cada faixa de rolagem para carros.

Numa avenida com duas faixas para carros e apenas uma para ônibus (exemplos: Avs. Santo Amaro, Nove de Julho, Rebouças, Ibirapuera…), deslocam-se 35 mil pessoas por hora.

Por que não dobrar a faixa de ônibus, deixando apenas uma para carros? Assim seriam 60 mil pessoas por hora, diminuindo o tempo parado no trânsito. Metrô tem fluxo de quase 40 mil pessoas por hora.

Mas ocorre que o morador de Moema não vai entrar no ônibus para ir para a Faria Lima, muito menos gastar 15 minutos e ir de bicicleta.

Prédios comerciais acham mais lucrativo ter TRÊS vagas a mais de carro do que montar, no mesmo espaço, um vestiários e colocar ganchos para pendurar bicicleta.

Homens de negócio não pedalam. Multinacionais têm que fornecer CARRO para seus líderes em sinônimo de status e importância dentro da empresa.

Vamos, sociedade brasileira, estimular que quanto maior e mais caro seu carro, maior é sua influência na sociedade! Se a empresa me deu um Corolla, é porque eu sou fodinha. Se a empresa me der um BMW, eu serei fodão!

Vamos, paulistas, mostrar que carro é sinônimo de poder. Vamos financiar, pagar 30% de juros ao ano para preencher uma das vagas do seu prédio com varanda gourmet.

Vamos, pauliceia, a gasolina é o sangue que bombeia para encher nosso ego. Gasolina Podium é a Absolut das vodkas, deixem a vodka Balalaika para o dono do paliozinho.

Vamos, sociedade motorizada, promover o caos. Com felicidade vamos promover trânsito na saída da garagem dos nossos condomínios-clube. Vamos para a padaria de carro!  Vamos para a academia de carro!

Vamos esperar construir o metrô para enfim deixar o carro na garagem. Vamos esperar o ônibus ficar menos lotado para enfim eu ter meu bilhete único.

Brasileiro é um bicho estranho: fora do país dá uma de “Povo” e anda de bicicleta em Amsterdam, de metrô em Nova York e de ônibus em Londres, mas quando volta, dá uma de “Gente Diferenciada”

O fluxo de investimento está completamente invertido. É preciso criar a demanda, primeiro, para existir o investimento público. Governo nenhum, no mundo, antecipa, faz projeções sócio-administrativas. Vocês acham que Paris sempre foi bonitinha?

É preciso acabar com corrupção. É preciso acabar com burocracia que atravanca o desenvolvimento. É preciso diminuir os gastos públicos com funcionários fantasmas, ou com gabinetes populosos de políticos ineficientes.

É preciso diminuir o número de deputados e vereadores. Mais de 500 neguinhos eleitos em Brasília que não resolvem porra nenhuma. É preciso fazer essa cambada ter cartão de ponto e ganhar por hora trabalhada, desempenho, cortar auxílios bizarros que afrontam a inteligência do eleitorado. É preciso um monte de coisa que só o voto não resolve. É preciso promover um certo caos para revindicar melhorias.

E o caos do Dia de Mad Max é um dia para refletir: o que VOCÊ, contribuinte, cidadão, faz para melhorar o convívio na sua cidade?

O que VOCÊ pode mudar em SEUS hábitos para ter maior qualidade de vida?

Será mesmo, esse desespero todo por combustível, uma necessidade?

Precisamos SURTAR para ter gasolina?

Precisamos de 7 milhões de veículos apenas na cidade de São Paulo?

Precisamos ter mais de um carro dentro da família?

Precisamos ir num carro vazio para o trabalho?

Precisamos inflacionar os preços de estacionamentos?

Precisamos gerar 5 BILHÕES de dólares de lucro em 2011 para as montadoras no Brasil enviarem para suas matrizes espalhadas pelo mundo?

Precisamos dessa vida estressada por causa de individualismo?

Precisamos resolver um problema coletivo resolvendo, com a compra de um carro (ou até segundo carro para rodízio), pensando numa solução individualizada?

Precisamos nos matar no trânsito, xingar, reclamar, buzinar tanto? Seu carro também contribui para o trânsito existir! PENSE!

Precisamos chegar ao ponto de viver como Mad Max?

Marcio Vieira


Canibais do Tempo

02/03/2012

Ilha de Páscoa é conhecida pelos enigmáticos Moais espalhados pela ilha, conhecida também por ser um dos pontos mais isolados do planeta, metade do caminho da América do Sul para a polinésia.

Menos conhecido pela maioria é o motivo da decadência da sociedade de Rapa Nui, tão inteligente para construir centenas de esculturas (imensa maioria, diga-se de passagem, destruída pelos espanhóis), mas que ao mesmo tempo sucumbiu dentro de si.

A ilhota chilena é exemplo corriqueiro para a “Turma da Sustentabilidade” em palestras, apresentações ou papo de bar. Um povo tão avançado foi destruído, principalmente, por eles mesmos, quando começaram a notar que a falta de comida acontecia porque não havia planejamento, sem respeitar agricultura ou pesca consciente.

Surgiram, então, os primeiros conflitos. Pequenas guerras na pequena ilha para comer o pouco de alimento que tinha até que chegou ao limite da sobrevivência: viraram canibais.  Canibalismo matou uma das mais místicas sociedades da história, de inteligência ímpar, ambição idem, esta que, infelizmente, se transformou em ganância, e aí a coisa degringolou.

Algumas dezenas de séculos depois, numa grande cidade que se orgulha em estufar o peito, com certa arrogância, de ser a “locomotiva do Brasil”, sem perceber que são canibais contemporâneos.

Paulistas, imigrantes e retirantes se juntam para lutar pela sobrevivência. O monstro, antes domesticado, tomou conta da cidade. Um monstro invisível que não cansa, não descansa. Um monstro chamado Tempo.

Tempo que hoje faz paulistas saírem 5 da manhã de carro para conseguir uma vaga e dormir no carro até às 8h. Tempo que faz outros paulistas entrarem no trabalho às 10h e sair às 20 para fugir do trânsito. Tempo que criou novas categorias de trabalho, como Motoboys, que existem, que se arriscam, por entregas em menos… Tempo.

Paulistas loucos, ignorantes, que não aceitam diminuir seu consumo besta, desnecessário e doentio. Paulistas ricos e arrogantes que planejam a agenda da semana pela placa do próprio carro, isso quando não compram o “carro do rodízio”.

Paulistas, tão inteligentes para formar uma das cidades mais ricas do mundo, mas tão burros que não percebem que estão se matando. A ganância da Ilha de Páscoa e de São Paulo é a mesma, são cachorros cegos e famintos que não perceberam que estão mordendo o próprio rabo.

Um canibal motorista na Avenida mais importante do país matou uma ciclista, mais uma, e não será a última. Canibais que se matam no trânsito com latas velozes, caras, sinônimos de poder e status. Canibais que se matam porque se acham no direito de reclamar do trânsito, mas não percebem que mais de 85% dos carros na cidade, que andam com APENAS 1 ocupante, e que são os responsáveis pelo trânsito.

Trânsito doentio que suga energia, que faz milhões de paulistas reclamarem, que faz milhões de paulistas perguntarem a razão de continuar vivendo assim, que faz milhões de paulistas sonharem com a vida na praia ou no campo, mas que não tiram a mão do volante nem para ir na padaria.

Paulistas doentes que criam seu futuro (seus filhos) com os mesmos medos, dando celular para um guri de 5 anos, ou deixar ele trancado em casa jogando PlayStation, enquanto os velhos engravatados se fecham dentro de carros solitários.

Paulistas medrosos e orgulhosos. Simultaneamente são assassinos e vítimas. Matam quem quer viver. Matam quem quer usar uma bicicleta como veículo, matam porque a “sociedade burguesa antiquada” exige uma merda de terno e gravata para te respeitar, atrapalhando você ir de bicicleta numa cidade que faz 34 graus.

Quem quer ser diferente, se fode. Morre. Prédios comerciais lotados de vagas para seus engravatados, enquanto não tem um mísero vestiário para o ciclista poder tomar um banho e se trocar. Paulistas que se matam quando o motoboy ganha 5 reais por entrega durante o dia e trabalha a noite, por gorjeta, entregando pizza.

O Tempo mata o paulista, e não adianta vir reclamar do governo, com o Papa ou com a puta que pariu. Quem criou a falta de tempo foi o próprio paulista.

Quem criou o monstro chamado Tempo, foram nós, os Paulistas. E o monstro Tempo já procriou e tem filhos: Stress, Caos, Medo, Doença, Raiva…

Mas não se preocupe, Paulista, domingo você ficará mofando no sofá e esquecerá da semana que passou. Na segunda-feira, você relembrará. É questão de tempo.

Marcio Vieira


Consciência da coexistência

17/08/2011

Caos, por quê?

Trânsito ruim? Filas no supermercado, no banco, na balada? Situação chata, né? Dá raiva, dá vontade de explodir tudo? Calma, você coexiste!

Quando fazia alguns cursos de respiração (que, aliás, recomendo para todo mundo) da Fundação Arte de Viver, num dos dias peguei um trânsito extremamente complicado, tudo parado, era um caos. Nesse dia, provavelmente, já estava dentro do processo de reflexões que o curso estimula e enxerguei algo que antes nunca tinha enxergado ao ouvir tantas buzinas: a coexistência.

Eu poderia fazer parte da orquestra urbana que estressa qualquer pessoa, eu estava atrasado, o trânsito me prejudicava, mas refleti algo que nunca tinha parado para pensar: eu, dentro daquele carro, naquele trânsito, contribuia para o trânsito existir. Quantos de nós, moradores de grandes centros urbanos, já ficou puto da vida com o trânsito? Vocês já perceberam que vocês também são causadores do trânsito?

Naquele dia, olhei para o lado direito e tinha um ônibus, não tão cheio, com pessoas cansadas voltando de seus trabalhos, e daí olhei para o resto do meu carro, vazio, com lugar para mais quatro pessoas. Aumentei o campo de percepção, analisei cada carro ao redor, de cada dez automóveis, apenas 1 ou 2 tinha mais de uma pessoa no carro, sendo que a maioria esmagadora dos carros cabem 5 pessoas.

Desde então, nunca mais buzinei para reclamar do trânsito, eu não me sentia no direito de reclamar de algo que eu contribuia para existir. Reclamo quando vejo caixas fechado, locais com poucos atendentes, causando filas desnecessárias. Mas, nas ruas, nunca mais reclamei. Quem tem direito de reclamar do trânsito são os usuários de transporte público, deficitário, sujo, inoperante, desconfortável, atrasado, etc.

Quem também tem direito de reclamar do trânsito é o ciclista, que não tem pista exclusiva, que não polui, que sofre com a ignorância e desrespeito de grande parte dos motoristas, que no espaço de um  carro pode trafegar, com segurança, seis bicicletas, e foi depois disso, também, que colei um adesivo na minha bicicleta de “um carro a menos”. Muito, não tudo (por preguiça), posso fazer de bicicleta, posso tirar um carro das ruas, e tudo isso foi feito após minha expansão da consciência acerca das causas e efeitos das minhas atitudes.

Então, antes de reclamar do trânsito, antes de buzinar, pense: você contribui para o trânsito? São Paulo é um caos em muitos aspectos, mas são seus habitantes os grandes responsáveis por isso. São seus habitantes que inflacionaram os preços dos imóveis perto de metrô, são seus habitantes que pouco reclamam do transporte público inoperante, são seus habitantes que preferem resolver um problema coletivo com uma atitude individual, adquirindo um carro novo, um segundo carro, etc.

Sim, concordo que 99% das pessoas preferem ficar sentado dentro de seus carros por 1 hora do que em pé, no ônibus, pela mesma hora. Cada um age conforme sua própria consciência, assim, aceite o caos pelo qual você contribui, ou plante uma semente utópica, ideológica e pense olhando para fora da caixa.

Ora, por que não fazer uma atitude coletiva?  Seja uma carona, rodízio entre vizinhos, pedale, seja uma caminhada maior (vá de tênis, leve o sapato numa mochila, e caminhe!), seja um dia da semana, pelo menos, ir de transporte público e não apenas alterar seu horário de trabalho por causa da placa do carro.

Você não tem que adaptar seus horários conforme o rodízio da placa do carro. Você não precisa inventar cursos (muitas vezes são úteis) para “fugir” do rodízio. Esse dia semanal é para você fazer um sacrifício pela sociedade, pelo coletivo porque simplesmente coexistimos.

Enfim, estimular a consciência é importante pra caramba, principalmente para ver a causa de um problema, e não apenas constatar a existência de um problema. Não estamos sozinhos, tenha consciência da coexistência.

Marcio Vieira