Vermelha de Raiva

Seu jornal com termos preconceituosos, “antipetista”, ao invés de simplesmente PSDB e PT

Você que for este texto, sinto muito em lhe dizer, mas ele não é endereçado para você. Não me leve a mal, mas é que você não precisa perder seu precioso tempo lendo algo que provavelmente você não vai concordar, então é melhor parar por aqui.

Afinal, você que acessa diariamente redes sociais, tanto pelo seu laptop como pelo telefone celular, você que assina revistas semanais de péssima qualidade, e que tem em sua confortável estação de trabalho climatizada às margens de uma vistosa avenida paulistana, sinto muito, mas esse texto não é para você.

Este texto vai para quem acorda pelo menos duas horas antes de você, que está no mínimo duas vezes mais distante da famigerada avenida. Este texto vai para quem é responsável pelo mágica que limpou sua mesa e que você não faz ideia qual rosto e qual nome possui, pois faz isso na madrugada.

Este texto também vai para as pessoas que, quando trabalham mesmo horário que o seu, não tem livre acesso as mesmas informações que você recebe. É que o trabalho dessas pessoas, normalmente, não são em frente de um computador, muito menos tem cadeira giratória regulável. O trabalho delas é vestindo macacão sujo de graxa ou com um uniforme da terceirizada.

Serve esta mensagem para aquela senhora que pede licença para retirar os papéis do seu cesto de lixo debaixo da sua mesa. Serve para aquele rapaz que você vê todos os dias ao lado da catraca aonde você passa o crachá, mas nunca falou nada mais aprofundado que um “Hoje é Coringão!”

Este texto serve para aquele cara que passa a madrugada escutando radinho de pilha para esquecer a solidão, e abrindo portão da garagem do seu prédio. Ou para o entregador de pizza, fazendo hora extra depois de 8 horas arriscando a vida para facilitar sua vida e entregar suas coisas com mais rapidez.

E tantas outras pessoas que, embora hoje tenham mais de 70 milhões de brasileiros conectados na internet, a imensa maioria entra bem a noite, quando chega do trabalho, ou quando chega da aula daquela faculdade mixuruca que você tanto reclama da existência, raramente vão ter saco para procurar algo mais conceituado para se informar na internet.

São pessoas criadas no ritmo vida loka, tá ligado? E que, apesar de tudo, estão suaves, bem diferente de você, que adora reclamar da merda do trânsito, mas que necessita sentir-se vivo nas redes sociais, e para isso vale tudo, até comentar repetitivamente sobre o tempo.

Você que tem acesso à este blog e, mesmo com avisos insistiu em continuar a leitura, precisa entender uma coisa fundamental das eleições: você é minoria.

Você que vai em rodízio de comida japonesa é minoria, você que leva 1 hora de trânsito para chegar ao trabalho, é minoria também. Você que tem a possibilidade de viajar de avião com frequência, de ir em baladas, de comprar iphone e outros produtos da maçã mordida, é minoria.

Você que reclama que está lotado o Parque do Ibirapuera aos domingos de sol, você é minoria. Pois a maioria está feliz, lá, e está cagando para seu nojinho com o pobre. Você que reclama de rodovias congestionadas, você é minoria, pois a maioria vai ficar sem viajar, e vai curtir o Shopping Interlagos ou Center Norte lotado, pegar uma fila de 15 minutos no McDonald’s e, depois disso, sorrir.

E o espantoso de tudo é que o centro rico e poderoso de São Paulo não consegue entender que suas necessidades não menores, afinal, sua vida em Moema, Pinheiros e Jardins é sempre uma maravilha, apesar do pedinte no farol e do medo de assalto.

A maioria mora longe de você, nos arredores, basta ver os mapas coloridos publicados após a eleição. É a periferia, mano! Amontoados, vivem espremidos, mas que na hora de votar, o peso dele é igual ao seu, e daí não vale reclamar.

E não adianta reclamar em conversas nos bares de happy hour ou, principalmente, com comentários preconceituosos no twitter e facebook. Expor a opinião é algo livre na sociedade, mas recomendo valorizar sua própria inteligência, afinal, quem foi pra Miami e Paris foi você, que deveria compreender que você é o historicamente privilegiado.

Só que acontece que você é a minoria que acha lindo incendiarem uma favela em pontos nobres, afinal, não é você que nasceu nela, e que das pessoas dela, o máximo que você sente é ignorância e medo.

É preciso entender que a maioria está cansada de uma política elitista, com seus eleitores, incrédulos, xenófobos, preconceituosos com pobre, com preto, com nordestino, com favelado, que vão votar por quem acredita que, no mínimo, darão mais dignidade.

Pobre quer espaço pra respirar. Fique tranquilo que ele não vai entrar na balada da Vila Olímpia. Fique tranquilo que ele não quer conhecer o Shopping JK. O Pobre, a maioria, só quer espaço para viver, e está cansado de políticos que ignoram a periferia, vermelha de raiva.

Eu sou do mesmo lugar de você, leitor. Eu sou da minoria, porém, eu tenho a consciência que São Paulo precisa priorizar a maioria, que está no subúrbio, na periferia. Dane-se se serão anos ruins para o lado azul. Meus problemas não passam de um asfalto esburacado, de uma calçada suja, da falta de um semáforo.

O problema da maioria é ter medo de enchente, de incêndio, de ter ônibus perto (lotado ou não, o importante é ter), de ter escola pública perto, etc.

Afinal, qual o tamanho da sua prioridade?

Marcio Vieira

Anúncios

One Response to Vermelha de Raiva

  1. priferri disse:

    Show!!!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: