É só um centavo

27/04/2012

– CPF na nota?

– Hoje não, é pouca coisa.

– 12,99. Dinheiro ou cartão?

– Dinheiro.

– Seu troco: dois reais.

– Faltou um centavo.

– Desculpe, não tenho. É um centavo só.

– Mas eu quero meu troco certo.

– Tome cinco centavos, então.

– Mas eu não tenho quatro centavos para te devolver.

– Não precisa.

– Você não tem nenhuma moeda de um centavo?

– Faz anos que não vejo uma dessa.

– E por que vocês pedem 99 centavos se nunca tem troco?

– Todo lugar cobra esses valores com final em 99.

– Mas ninguém recebe o troco exato.

– O Seu Joaquim tem no caixa ali da padaria em frente um monte de moeda de um centavo que foi guardando durante os anos. Ele troca uma dessas por moedas de cinco centavos. Ele ganha 500% em cima. Baita investimento.

– Mas é só um centavo.

– Então por que você está me cobrando?

– Porque é meu troco de direito.

– Mas é só um centavo, não é?

– É, mas agora eu quero os cinco que você ia me dar.

– Você me devolve quatro centavos?

– Não tenho.

– Concorda que eu serei mais prejudicado que você? Você só vai perder um e, eu, serão quatro centavos de prejuízo!

– Então porque você me ofereceu cinco centavos?

– Porque são apenas cinco centavos. E essa moeda eu consigo pedir no banco.

– E por que você não pede algumas moedas de um centavo?

– Porque acho que não existe, caramba!

– Acha, ou tem certeza que não existe?

– Não sei, nunca pedi.

– Então por que você cobra os produtos terminando com 99 centavos?

– Porque o preço fica mais bonitinho, chama a atenção do freguês.

– Mas você disse que não existe o um centavo.

– Também não existe essa fração que postos de gasolina cobram. O litro custa 2,699. Vai pedir para eles quebrarem em dez partes a moeda de um centavo.

– Mas você acabou de me dizer que não existe mais moeda de um centavo para eu dividir.

– Existe sim, o Seu Joaquim tem um monte, acabei de te falar.

– Mas não vou pagar cinco centavos por uma moeda de um centavo.

– É irrelevante um centavo.

– Concordo. Mas por que não matam de vez essa moeda?

– Ela já está morta, só não enterraram.

– Mas tem um monte de gente ganhando esses centavos de troco sem a população perceber.

– Brasileiro não dá valor para moedinhas.

– Então você vai arredondar o valor?

– Não.

– Por quê?

– Senão eu não consigo vender, é uma forma de enganar a mente humana, li numa reportagem um troço desse que falavam.

– E você quer me enganar?

– Não, te ofereci cinco centavos, caramba.

– Mas só porque eu pedi o meu troco. E se eu não pedisse o um centavo?

– Eu não te daria, oras.

– Então você me enganaria. Enriquecimento ilícito! Estelionato! Vou te dedar para o governo!

– É… mas você também engana o governo. Você não pediu o CPF na nota.

– Mas custou 12,99. Não compensa o tempo digitando CPF, é merreca que vou acumular, nunca soube de ninguém que ganhou esses prêmios que falam que existe.

– E não é merreca o um centavo de troco?

– É, mas é meu.

– E por que você não dá o seu CPF pra mim?

– Eu não, dizem que o fisco interliga as contas, e depois o leão vem atrás de você e crau.

– Mas é dinheiro seu, oras, que, aliás, você me “ajuda” quando não pede CPF na nota, assim meu contador consegue montar o balancete.

– Então você está me enganando de novo?

– Não. Perguntei se você queria o CPF na nota.

– Se eu não quiser a nota, você me dá esses quatro centavos da diferença.

– Pode ser

– Pode ou será?

– Será.

– Acertados?

– Mas estamos nos enganando, e enganando o Brasil. Não é correto pagar 12,95 por um produto de 12,99 para te deixar na informalidade.

– Ah, o Brasil nos engana com essa moeda de um centavo que não existe mais. E deixa ainda os postos de gasolina cobrarem 2,799 o litro, uma terceira casa dos centavos que não existe!

– Você já pediu no banco e foi recusado?

– É perda de tempo. Nunca pedi.

– E como sabe que não existe mais? O Seu Joaquim tem, oras.

– Mas ele é um português pão duro que guarda essa porcaria há anos.

– O muquirana fez 500%.

– Mas são só cinco centavos de lucro.

– Tem razão.

– Então você não quer mais os cinco centavos?

– Não, não mais, mas devolve o dinheiro porque vou pagar no cartão de débito, e quero CPF na nota.

– Ok.

– Vou querer também esta trufa aqui. Quanto custa?

– 1,99.

Anúncios

A maior invenção da humanidade

25/04/2012

Até ontem eu considerava o vaso sanitário como a maior invenção da humanidade. A privada é incrível, basta apertar um botão e, num passe de mágica, fazer sumir, literalmente, toda merda que acumulamos. Destaco também a invenção do elevador e do lacinho lateral que amarra a parte de baixo dos bikinis como as grandes invenções. Até ontem…

Até ontem, quando dez Davis enfrentaram onze Golias numa arena com cem mil pessoas na expectativa de ver o tão costumeiro massacre dos anfitriões. O cara que inventou o futebol é um grandíssimo filho da puta! (Em tempo: grandíssimo filho da puta é um elogio supremo, dado à poucos, no meu humilde e contraditório vocabulário)

Como pode o futebol permitir que os gigantes, do possível melhor time da história, amargar a derrota dentro de casa?  Como pode o Barcelona, o ápice do futebol arte, ser eliminado?  Que incrível é o futebol, que permite a injustiça, e muitos comemorar sua existência!!

O espetáculo ontem, não foi ver o futebol-pimball de toques rápidos e envolventes do esquadrão de Guardiola. O espetáculo foi ver que gigantes são, porque não, humanos. Ontem ficou comprovado, embora milhares ainda teimam, que Messi é terráqueo.

A arte sempre será arte. Não vi Hungria de Puskas sucumbir, não presenciei a Laranja Mecânica, e não vi o selecionado tupiniquim de Telê Santana, mas vi o time do Barcelona jogar. O palco é de todos, no futebol, dando espaço para injustiças serem justas.

Essa é a graça do esporte bretão de 150 anos. Essa é a paixão que justifica um pequeno clube paulistano chamado Juventus se vestir em cores da rival Torino. Essa é a paixão que permite ter um River Plate no nordeste, um Santos no México, um Corinthians no Brasil.

Futebol deveria ser uma palavra feminina, pois tanta beleza, tanta paixão, provocação, amor, raiva, choros, sorrisos, só grandes mulheres inflam tais sentimentos no coração dos homens, pobres e cegos apaixonados seres limitados. É por isso que muitas mulheres (as pequenas) insistem em rivalizar com o futebol, em crises de ciúme por ter a atenção dividida por causa de uma bola.

Injustificável sentimento de uma paixão não correspondida. O futebol é sacana, engana e, quando acha que a previsibilidade atuará, que o Barcelona goleará, vem os Deuses da bola e mudam o curso da história.

Até ateus acreditam na divindade futebolística. Foram eles que desviaram o chute do melhor do mundo no pênalti perdido! Malditos que não permitem a eternidade da arte!

Mas como toda arte, o futebol também é subjetivo, de interpretações múltiplas, e a arte de ontem foi um time sem zagueiros (um expulso e outro machucado, logo no início do jogo) eliminar o time das goleadas e da beleza plástica. Se Michelangelo fez arte a partir de uma não bela Gioconda, o Chelsea pode construir uma obra prima, não bela, na terra de Gaudí. O mundo não é feito apenas de Gisele Bündchen. Pelo contrário. Ainda bem!

O Anti-jogo é arte, Arte da Guerra que Sun Tzu explicou. Cada um luta com as armas que possui. Encenar é arte, e Drogba pode fingir suas dores num grande palco. É o máximo que alguns Davis poderiam fazer, pois se lutassem de igual para igual, o time londrino seria engolido pelo Barcelona.

Cruel, o futebol, que permite gols em contra-ataques. Apaixonante futebol, que encobre a razão e a superioridade num toque sutil de Ramires. Futebol que alimenta as minorias, os pequenos Davis, na esperança do impossível, do imprevisível e do injusto, acontecer. E às vezes ele acontece, e a graça está nisso: se a injustiça for frequente, o futebol deixará de existir.

É por isso que existirão dias de Paysandú no La Bombonera, de Chelsea no Camp Nou ou do Uruguai no Maracanã.

Há dias que eu odeio amar o futebol, e outros dias que amo odiar o futebol. Mais raros são os dias, como ontem, em que amo amar o futebol, a maior invenção da humanidade.


Malditos kebabs!

23/04/2012

Ódio aos imigrantes

Irônica (e preconceituosa) sociedade, que batiza extremistas de turbante de terroristas e, ao mesmo tempo, outras pessoas, muitas de cabelos dourados, são denominadas, simplesmente, extremistas.

O branquelo de olho azul vai passar por exame psiquiátrico, afinal, não pode ser são o Sr. Breivik, culto, poliglota, que planeja, e mata, 77 pessoas. Porém, é terrorista um Mohamed qualquer, que não pode andar de mochila pela Europa sem ser revistado por policiais assustados, despreparados, pois toda a Europa vai pensar que tem uma bomba pronta para explodir.

E, se realmente tiver uma bomba, polícia nenhuma vai impedir dele se matar e levar algumas dezenas junto. Enquanto o muçulmano enrolado em panos transparece seu ódio ao querer defender sua própria religião, que é historicamente alvo de ataques preconceituosos, o bonitinho norueguês pode comprar armas pesadas sem a desconfiança da sociedade, afinal, no máximo, ele é um louco.  Terrorista é o barbudo de cara fechada.

Campanha do partido nacionalista Suíço, que quer expulsar as ovelhas negras (imigrantes) do país

Só que o nórdico extremista fez o que muitos, hoje milhões de europeus, pensam em fazer:  não a matança sanguinária, mas sim o controle da imigração. Basta ver os 18% de votos que a extrema direita recebeu nas eleições francesas no último domingo. É muita gente que não quer dividir espaço com negros, árabes e latinos. A minoria, em crise e época de sobrevivência, vira o alvo de ataques e campanhas políticas.

Mas em domingo de eleição, com cédula na mão, sai dali o que a Europa está pensando em anos de crise e desemprego. Concorrer com imigrantes na seleção de um emprego, só porque o desgraçado brasileiro ou argelino conseguiu um passaporte comunitário deve doer no orgulho do povo dominante, e como ninguém vai ver em quem se vota, Hitlers contemporâneos viram notícia.

A extrema Direita cresce

No entanto, ninguém assume. Quantos de vocês conhecem quem votou no Maluf e assumiu isso? É a mesma coisa na Europa: ninguém assume porque o voto é secreto, mas ontem, na França, mais de cinco milhões de pessoas votaram na Le Pen.

A extrema direita cresce, e assusta quase que proporcionalmente ao crescimento das taxas de desemprego.  Ultrapassada, não se produz mais na Europa porque o custo do trabalhador é altíssimo, então indústrias foram para China produzir.

O grande erro do europeu é achar que a cadeia econômica baseada na prestação de serviços, principalmente o turismo, sustentaria toda a economia. Espanha foi para o brejo por achar que ficou rica de uma hora para outra, sem ter uma cadeia industrial competitiva e abrangente.

Mas calma, Europa, ainda não é o fim do poço que justifique votos em desespero e ódio. Quando o mundo voar em avião Made in China sem medo, aí vocês estarão lascados. Por enquanto são computadores e outros eletrônicos, mas cabe lembrar que há menos de duas décadas era apenas àquelas calculadoras bizarras.

Encontro de terroristas?

E vocês da direita nacionalista europeia querendo apontar o dedo para o barbudo que clama por Alá, ou para o latino que esquenta a barriga no fogão sem reclamar?  Esperava mais inteligência, pois. O Alemão pagou uma multa chamada Hitler, e hoje tem uma indústria diversificada que atingiram a excelência na produção de bens de consumo. É a forma de proteger empregos na globalização, de lacunas em leis trabalhistas, salários mínimos injustos e concorrência desleal (subentenda China): qualificar a cadeia industrial e produzir com alta qualidade protege emprego, protege o país e protege economia, não dando margem para crises que desencadeiam teorias preconceituosas.

Pensa num carro bom, numa ferramenta boa, ou num remédio bom. Quando o mundo comprar na farmácia um remédio chinês, só aí a Alemanha vai quebrar. Mas isso não vai acontecer quando um país se renova e cria novas tecnologias e soluções.

Merkel aprendeu a conviver com Kebab

Não são os imigrantes que roubaram empregos na França. Foi o Japão, depois Coreia do Sul e, agora, a China, que se qualificaram para entregar um produto de melhor qualidade, feito há milhares de quilômetros de distância, por um preço competitivo.

A dinastria Le Pen quer tirar o kebab das ruas para proteger a baguete com queijo brie, assim como Hitler, que não perdoava e não comia guildene. Mas como o ódio se adapta facilmente, se estivesse vivo, Hitler também não comeria kebab e também exterminaria gays, africanos, latinos, tudo que for miscigenação que atrapalhasse seus planos nacionalistas.  Malditos Kebabs!

18% dos franceses se incomodam com imigrantes de pele mais escurecida. Assustador, o número. É muita gente querendo expulsar as minorias étnicas e religiosas, ao invés de, simplesmente, modernizar pensamentos e conviver com a mistura, encontrando inclusive oportunidades de negócio. Do contrário, novas guerras, não serão surpresa.

Malditos Kebabs!


A ganância contra o povo

19/04/2012

Corinthians é o time que mais arrecada em jogos. Embora sua média de público não esteja muito acima dos rivais, o que destaca é o valor do ingresso que é o mais caro do Brasil.

Arrecadar 1.6 milhão de reais, como no último jogo, é um rendimento considerável que ajuda os cofres do alvinegro. No entanto, há de se destacar alguns pontos deficitários que, em três jogos de Copa Libertadores no Pacaembu, não foi resolvida: a taxa de ocupação.

No jogo contra o Deportivo Táchira, da Venezuela, o público total foi de 29 mil espectadores, num estádio que abriga quarenta mil torcedores. Ou seja, foram 72% de ocupação, muito aquém dos números de times medianos do futebol europeu, o que dirá dos gigantes do velho continente.

O principal fator de mais de dez mil lugares vazios no estádio é o custo do ingresso. Quase que a totalidade desses ingressos está nos setores das cadeiras, em que o Corinthians cobra valores astronômicos. Assim, o Corinthians deixa de arrecadar CENTENAS de milhões de reais por… ganância.

Ganância?!? Sim. Incompetência e falta de inteligência são perfeitamente somáveis à ganância dos administradores do clube.

O Corinthians não encontrou ainda a curva de consumo do seu torcedor em todas as áreas: não sabe cobrar o valor pelo uniforme que dê um lucro sustentável, assim como não sabe cobrar pelo ingresso, que deixa o estádio cada dia mais vazio. O aumento abusivo no preço dos ingressos afasta a grande maioria, deixando o evento elitizado. Uma completa contradição, quando se trata do “time do povo”.

Povo rico, esse, que não aparece no estádio. São pessoas que preferem o conforto da poltrona e o pay-per-view, que não tem o costume de ir ao Pacaembu, deixar carro longe sob a guarda de um flanelinha que cobra quinze reais, que não se dispõe a andar um quilômetro até o estádio desviando de barraquinhas de sanduíches de pernil, espetinhos de churrasco ou vendedores de cerveja.

Todo clube tem sua torcida de almofadinhas, e o Corinthians, contrariando a imensa maioria dos brasileiros que acha que é o clube dos desdentados e favelados, é o time que mais tem torcedores, proporcionalmente, às classes A e B em todo o Brasil.

Porém, àqueles que costumavam sentar na cadeira coberta do Pacaembu não estão mais lá: ou hoje vão para o bar assistir pela TV, ou mudaram de setor do estádio e foram para as cadeiras descobertas (Setor Laranja). Em efeito dominó, os que assistiam na Laranja mudaram de área também porque não aguentam pagar o preço atual, assim superlotaram a sempre lotada arquibancada, o “setor popular”.

Setor popular este que cobra 35 reais por jogo, e que não tem nada de popular no perfil dos ocupantes. Se fizerem uma pesquisa em frente ao portão principal do Pacaembu, aposto que mais de 50% já têm ou está cursando ensino superior. Aposto ainda que pelo menos dois terços da ocupação da arquibancada tem torcedores com rendimentos mensais acima dos mil reais mensais.

Esqueceram que aqui é o Brasil. E clubes como o Corinthians aproveitam a paixão e fidelidade de milhares de torcedores para que tais comprometam sensivelmente a renda familiar, direcionando o valor para ver o time no estádio.

Não apenas o desrespeito à massa corintiana, há ainda uma falta de inteligência tremenda da diretoria do Corinthians não otimizar o potencial que o Estádio do Pacaembu tem em fazer dele um verdadeiro inferno para os adversários, com uma multidão enlouquecida gritando o nome Corinthians.

Foram, no jogo de ontem, 28% a menos de vozes, de gritos, de impulso que dá energia ao Corinthians. Foram pelo menos quinhentos mil reais a menos de arrecadação ao clube.  E o que a diretoria faz para mudar?  Nada!

Tive a oportunidade, ano passado, de assistir um jogo na tribuna. Sabe aquelas cadeiras pretas separando da amarela? Então, para quem não sabe, a tribuna é onde, praticamente, ninguém compra ingresso.

São ex-jogadores, familiares de jogadores, filhos de diretores ou outros componentes da direção, empregados, etc. São pessoas que pegam seus ingressos no Parque São Jorge, gratuitamente, e vão para o estádio, entram num portão com um segurança de terno e gravata, e, no intervalo do jogo, vão para os comes e bebes naquele salão que é um viaduto de quem vê pela rua.  Tudo de graça, salvo raríssimas (e põe raríssimas mesmo) exceções que pagam os 300, 400 reais de ingresso para ter esse tipo de serviço.

E o mais absurdo do jogo de ontem é a falta de comunicação com a direção da equipe adversária. Já eliminado, o Deportivo Táchira não tinha expectativa positiva nenhuma no jogo, assim, não foram nem uma dúzia para apoiar o time venezuelano.

Ora, Direção do Corinthians, vocês não poderiam entrar em contato com o adversário, e oferecer aos tais torcedores as cadeiras pretas e os quitutes, cafezinho e sanduíche de metro, como anfitriões do espetáculo?

Pior que isso foi o pensamento engessado da Policia Militar em fazer aquele cordão de isolamento bizarro no Tobogã, diminuindo a capacidade deste setor, sendo que seria impossível qualquer tipo de ataque de sacolas cheias de urina. Enfiam mais uns trezentos corintianos naquele canto baixo do Tobogã para gritar pelo clube, que será de grande ajuda.

Resolvendo a questão dos doze torcedores do visitante, liberaria quase cinco mil lugares, àqueles destinados aos visitantes, para a torcida do Corinthians lotar um setor que poderia ter o mesmo preço da arquibancada, já que ambos os setores tem como conforto o cimento duro.

Ora, por 35 reais (preço aproximado do Fiel Torcedor), multiplicado por cinco mil, somariam R$ 175.000,00 à renda. Porém, mais que o valor no caixa do clube, seriam outras cinco mil vozes no jogo, que fazem diferença.

O Corinthians tem a obrigação de colocar pelo menos 90% da carga máxima de torcedores no estádio para jogos da Libertadores. E não é culpa da torcida não lotar o estádio, e sim é a ganância e mesquinharia da direção do clube, achando que o Pacaembu tem estrutura que valem a cobrança de ingressos acima dos cem reais. Ora, o Corinthians tem torcedores ricos, muito ricos, só que a maioria deles não vai se enfiar num estádio que não tem estacionamento, que não dá dignidade ao torcedor.

Daqui a pouco, o cachorro morde o próprio rabo. Basta ver a média fraquíssima de torcedores do time nos jogos do campeonato estadual. A torcida não tem condições de pagar esse absurdo de ingresso, sendo que há todo um ritual dos torcedores: são cervejas (3 reais por lata), são churrasquinhos, sanduíches de porta de estádio, ônibus, etc., que encarecem o custo de ir para o jogo. É praticamente impossível, somando os valores, um torcedor gastar menos de cinquenta reais num jogo.

Multiplique isso por, na média, seis jogos por mês.  São trezentos reais para os torcedores de arquibancada ficar no sol e na chuva pelo time. Hoje, embora cante com a mesma força e vibre com a mesma energia, quem está lá não é o povo histórico que carrega esse time há um século. Hoje é a classe média (da média baixa à média alta) que ocupa esses lugares, deixando socioeconomicamente povo em casa.

A gestão do clube é deficitária e a cada dia que passa se distancia dos torcedores. São camisas custando 199 reais, algo que estimula a pirataria, que encontra um campo vasto para vender as “réplicas” por 20, 30 reais. Se a camisa original, no lançamento, custasse 80, 90 reais, será que os produtos piratas sobreviveriam? Aposto que não sobreviveriam porque haveria um esforço do torcedor em pagar, duas ou três vezes mais, pelo produto original. Mas hoje, a diferença chega a dez vezes mais caro, distanciando o torcedor do clube.

O mesmo se trata com ingressos. Se há dez mil lugares vazios, que vendam esses ingressos horas antes do jogo por dez reais. É um investimento importante e necessário, que fortalece muito os jogadores. Competente seriam se colocassem ingresso por preços mais justos, lotando o estádio em respeito ao próprio Corinthians.

Cobrar mais de cem reais num ingresso é um absurdo, em se tratando de Corinthians. Soma-se tal exploração aos quinze reais do flanelinha, os vinte reais das cervejas, o sanduíche, etc., impossibilitando para a maioria dos Brasileiros.

A diretoria do Corinthians está silenciando o principal jogador que o time teve, e sempre vai ter: a sua torcida.

Grandes marketeiros da República Popular do Corinthians… Aonde é Popular, mesmo?