de 0 à 10, me aprovei

Na última década que passei

bastantes coisas realizei

poderia ter sido mais, eu sei

pensando no bem, é assim que agirei

vamos aos fatos, pois, que citarei

é difícil falar todos, então resumirei:

num almoxarifado, inocente, comecei

em grande empresa, cheguei,

vesti ternos, no Direito me graduei

numa trilha tradicional, anos caminhei

mas chegou um dia que balde eu chutei

porque todas as dúvidas que indaguei

me fizeram repensar, então meditei

em templos, casas espíritas, igrejas, perguntei

porém, todas as respostas que encontrei

só foram possíveis porque mochilei

novas sensações, cheiros, visões, procurei

e muito longe fui, muito longe irei

Chuí visitei; Oiapoque um dia conhecerei

ao velho mundo eu parti, morei,

voltei, retornei

só foi possível pois o carro que comprei

anos depois eu repassei

quando valores de vida eu mudei

porque uma vez doente eu fiquei

e de uma luz brilhante eu me beneficiei

pra melhorar, tantos cursos diferentes eu realizei

o vento eu estudei

as águas sempre gostei, e assim velejei

com a energia vinda da Índia, respirei

algumas línguas eu falei

outras línguas eu provei

era tudo novo, fascinante, pirei

jornais, na Inglaterra, entreguei

e o Atlântico Norte eu cruzei

por um semestre, Californiei

lá, lenhas eu cortei

mudas eu plantei

alguns telhados também consertei

o sol encostando no mar, presenciei

e meses mais tarde, à SP voltei

a morte veio, copiosamente chorei

perdi muito em pouco tempo, me despedacei

mas encontrei energia, e dos outros cuidei

dentro de mim, fragilizado fiquei,

então parei, estagnei, me tranquei

tratamento para me conhecer iniciei

e num ritmo lento, anestesiado, sedado, andei

porque raízes, antes soltas, na família eu finquei

mas em leituras e sonhos, desejei

e minha cabeça dos pés eu distanciei

que por tempos não me encontrei

numa mente acelerada, projetei

e até pela China eu me aventurei

a cara, o dinheiro, quebrei

e aos céus, novamente, aclamei

Por quê? Por quê? Questionei

mas as respostas, não esperei

agi, então pés e cabeça os grudei

e assim, aquele canudo, resgatei

sonhos quase mofados, da gaveta, eu tirei

algumas inscrições, cartas eu mandei

uma baita universidade me deu um ok

e a segunda despedida realizei

à família, aos amigos, outro até logo eu dei

e  só foi possível porque eu os conquistei

de alguma forma, sou meio maluco, zen, não sei

e olha que fumar eu nunca fumei

é legal ser assim, careta, sempre me orgulhei

é falta de vontade nessas coisas, nunca me interessei

mas uma cervejinha, essa eu sempre gostei

e ela sempre me ajudou, me socializei

e com brothers, ao redor de muitas mesas eu sentei

inúmeras, incontáveis risadas eu dei

algumas histórias contei

até roteiros de viagens eu elaborei

e assim, com os amigos, junto viajei

dentro das minhas possibilidades, imaginei

olha lá Arequipa, eu conheço, mas não pisei

com orgulho, minha mochila emprestei

do ar de tantos lugares que ela absorveu, me energizei

escutar causos daqueles que incentivei

é algo tão bom que mais cérebros abrirei

em futuras conversas de boteco que divagarei

degustando torresmo, ou churrasco, que tanto já cuidei

o churrasco sendo feito pelo vegetariano, piadas escutei

apelidos, Marcião, Marcito, também ganhei

e o tal Lobisomem em UK?

mas todos sabem que nunca me importei

e quanto às questões ambientais que preguei

não fui daqueles chatos, e brigas, ao menos, não causei

e assim, dos 18 aos 28 eu caminhei

tantas sensações incríveis experimentei

ir ao Pacaembu, onde muito gritei

shows de punk, em incontáveis mosh me joguei

muito beijei, transei, suei, cantei, sonhei

100 quilômetros por semana pedalei

em vários locais também já protestei

por causas e razões que sempre acreditei

fome, frio, solidão, medo, sede, calor, já passei

e cá estou, e muito ainda sobreviverei

e bilhetes de avião que rasguei?

Egito e Hawaii, me aguardem que ainda os visitarei

chãos de rodoviária, aeroportos que dormi e domirei

espero também, que em resorts descansarei

coisas e pessoas, tantas que amei

algumas vezes me enganei

relaxa, várias páginas já virei

pois é de cabeça como sempre mergulharei

afinal, de carrossel nunca gostei

são as montanhas-russas, entre altos e baixos, que andei

inconstantes sentimentos porque nunca relaxei

às vezes pouco aproveitei porque muito me cobrei

sempre querendo o melhor, dane-se se não agradei

e de tanto arriscar, muito também  me afundei

porém, histórias para os sobrinhos,  isso eu acumulei

e quando chegar aos espelhos será aonde me julgarei

não aqui, onde todos acertam e erram, então absterei

apontar dedos, nunca fiz e não apontarei

quem sou eu e qual é a missão? Não sei

em uma década, tal resposta não encontrei

no entanto, de 0 à 10 eu me aprovei

e não são notas, são anos que vivenciei

que hoje posso conjugar “eu Marciei”

e só eu, afinal, vidas de outrem não viverei

porque ser feliz é muito possível, is the way

e em 2011, à vocês, muitas conquistas desejarei

sejas leve, que com você, eu voarei.

Marcio Vieira

Anúncios

5 Responses to de 0 à 10, me aprovei

  1. Renata disse:

    Marcio, sei q vc é um excelente profissional do direito, mas larga tudo e vira jornalista por favor! Precisamos de mais pessoas com o seu talento!
    Parabéns pelo texto! Sensacional!!!

  2. Glau disse:

    Espetacular.
    Tanto o texto quanto a história!

    beijos

  3. Mau disse:

    Vc é o cara!!!

  4. Eduardo disse:

    Fala marcião….mandou bem….feliz 2011, saudades!!!

    se cuida!!!

  5. Denis disse:

    Vc é FODA

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: